Enfermeiro inventa dispensador de preservativos que se torna modelo

Por ocasião da 1ª Semana Estadual da Juventude, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) lançou oficialmente o dispensador de camisinha, criado por técnicos da Coordenação Estadual DST/AIDS. O lançamento ocorreu no Ginásio do bairro Santa Inês em Macapá.

“Esse instrumento vem se somar a um projeto já existente”, explica o enfermeiro Vencelau Pantoja referindo-se ao dispensador alternativo de camisinhas adaptado na própria embalagem de papelão onde fica o preservativo e que chamou a atenção do Ministério da Saúde.

O dispensador de papelão foi desenvolvido por Pantoja e pelo enfermeiro Sávio Sarquiscomo forma de facilitar o acesso da população aos preservativos e ao mesmo tempo contribuir para a sustentabilidade do meio ambiente.

Agora o projeto será expandido com a utilização de uma nova embalagem e a distribuição será ampliada para escolas públicas de todo o estado, além de unidades de saúde, associações de moradores, instituições de ensino superior, entre outros espaços onde há grande circulação principalmente de jovens. “Não estamos incentivando a prática sexual e sim facilitando o acesso aos preservativos para aqueles que já iniciaram a vida sexual”, argumenta o enfermeiro.

Vencelau Pantoja explica que o indivíduo não vai precisar pedir a ninguém a camisinha, pois poderá retirar a quantidade que quiser no dispensador. “Percebi que as pessoas ficam retraídas para pegar o preservativo, como se fosse algo ilícito. E a ideia é justamente popularizar o uso. As pessoas precisam perder a vergonha de se proteger”, ressalta.

Mesmo confessando que conversas sobre sexo com os 6 filhos não acontece dentro de casa por ter sido criada num ambiente familiar onde não se falava do assunto, a dona de casa Francisca da Silva Lima, de 46 anos, aprova a ideia dos dispensadores de camisinha. “É importante porque hoje, a maioria das meninas novas não se previnem e acabam engravidando ou pegando doença”, opinou.

O acadêmico João Almeida, 18 anos, acredita que a popularização do uso da camisinha vai preencher a lacuna da falta de diálogo dos pais com os filhos sobre sexo. “Entendo que os pais precisam se aproximar mais dos filhos neste sentido. Com toda a banalização do sexo na adolescência ainda tem pais que acham que os filhos estudantes do ensino fundamental ainda não começaram a vida sexual”, afirmou.

A primeira instituição a receber o dispensador de camisinhas foi a Universidade do Estado do Amapá (Ueap).

Esta entrada foi publicada em Sem categoria e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>